Alunos europeus informam-se sobre carreiras profissionais em química, num chat em linha

“Que possibilidades de carreira profissional há na indústria química?” foi a pergunta colocada por alunos de 11 escolas de toda a Europa, durante o quarto chat Xperimania, que se realizou, em linha, no dia 14 de Março. Fabian Scuvie da essenscia, a associação química belga, deu conselhos práticos e úteis aos alunos para o planeamento da sua vida profissional.

Estudantes da Eslovénia, Polónia, Hungria, França, Finlândia, Alemanha e Portugal tiveram uma participação activa num chat. A maior parte das questões referia-se às perspectivas futuras da química, e às competências e requisitos educativos para trabalhar na indústria química.

Fabian Scuvie explicou que as competências necessárias para trabalhar na indústria química incluíam a literacia informática, espírito de equipa, atenção ao detalhe, flexibilidade, curiosidade e boa capacidade de comunicação.  Em algumas circunstâncias, deveriam também estar abertos à possibilidade de viajar.  Inserido nos curricula, os alunos deviam concentrar-se especialmente na química orgânica, que é a base de toda a química.

“A maior parte do mercado da química industrial está relacionada com a química orgânica”, salientou o especialista.

Scuvie afirmou que a indústria química como um todo tem perspectivas futuras muito boas. Especialmente a química farmacêutica, a biotecnologia, a química para o desenvolvimento de novos materiais, as tecnologias de redução de energia e do ambiente são sectores em desenvolvimento nos próximos anos. Também a nano tecnologia, a química em micro escala, vai ser um dos ramos da química no futuro.

Durante o chat, os participantes aprenderam que na Europa, a indústria química é muito desenvolvida na Alemanha, Inglaterra, Bélgica, Irlanda, França e os Países Baixos. Scuvie explicou também que os alunos que não tivessem uma boa prestação em química na escola, ainda tinham uma possibilidade:

“Do total da força de trabalho na indústria química apenas 15 % têm diploma directamente relacionado com a química. Esta indústria contrata também contabilistas, condutores de camiões, advogados, secretárias, vendedores… Há um imenso leque de trabalhos disponíveis!”

Como conclusão Fabian Scuvie abordou o facto de não haver alunos suficientes com vontade de trabalhar no sector dos químicos, especialmente na indústria petroquímica. De acordo com a estimativa da União Europeia, em 2010, vão ser necessários mais 500.000 investigadores ou 1.2 milhões de pessoas relacionadas com a pesquisa. Também são precisas mulheres.

“Na Bélgica, apenas temos uma mulher em oito homens na ciência da educação”, calculou Scuvie.

“Além disso, muitos cientistas vão aposentar-se nos próximos 10 anos. Por isso, estamos à vossa espera!”

Para se registar para o próximo chat, contacte, por favor xperimania@eun.org

Transfira a transcrição do chat (pdf).

Informação adicional

Gimnazija Poljane, Eslovénia.
Professor coordenador: Breda Policar
Gimnazija Poljane, Eslovénia.
Professor coordenador: Breda Policar
SEK Budapest International School, Hungria. Professor coordenador:
Dr. Beata Jarosievitz
Moderadores do chat e especialistas. Da esquerda:  Ann Whent, Cefic/Appe, Dominique, Cefic/Appe, Pierre de Kettenis, Cefic/Appe, e Fabian Scuvie, essenscia.